RTP2 Ataca Jornalista TVI

Quem teve oportunidade de ver o Clube de Censurologia dos Socialistas Fachistas, emitido ontem na RTP2, onde se discutiu a liberdade de imprensa em Portugal.

Numa atitude comparável a outros regimes Fachistas (Salazar, Augusto Pinochet, Mobutu e outros), o Clube Censura dos Socialistas Fachistas (à excepção do João), juntamente com o Dr. Marinho Pinho, num ataque cerrado ao jornalismo independente, centrara toda a atenção na Manuela Moura Guedes da TVI, arrasando-a e chegaram à conclusão que existe demasiada liberdade de Imprensa em Portugal e que o excelente trabalho de denuncia da corrupção em Portugal, desenvolvido pela Manuela Moura Guedes da TVI, é a vergonha do jornalismo. Trata-se de mais uma tentativa todas as liberdades e garantias, e como a Manuela Moura Guedes da TVI, tem sido o rosto televisivo do combate anti-fachista, como tal querem eliminá-la.

Tem denunciado a corrupção política, tem combatido casos como: freeport, BPN, BPP, a Inatividade de Vitor Constâncio, o Governador do Banco de Portugal, entidade Des Reguladora da Banca Nacional... o caso das Ambulâncias do INEM armazenadas, isto quando os bombeiros de debatem com falta de meios e tantos outros casos que tem posto a lume.

Será que Manuela Moura Guedes, a jornalista e apresentadora do Jornal Nacional da TVI è um atentado ao direito e ao Estado de Direito?

De Maneira nenhuma, e num Estado onde o Direito se encontra cada vez mais torto e pervertido é extremamente importante que se levantem contra.

É claro que isto é um atentado ao Estado Novo e por isso querem calar-nos.

Depois da perseguição aos Blogues, da lei da rolha aplicada aos professores, polícias, e todos os funcionários públicos. Depois do Ministério da Educação Repressiva andar a perseguir professores e alunos, chega agora a vez de quererem calar Manuela Moura Guedes, jornalista e apresentadora do Jornal Nacional da TVI, o único que ainda demonstra qualidade jornalistica.

Importa haver vozes que se levantam tal como o Bloge comunicar a direito, vejam o artigo ERC CONDENA TVI.

Importa ver o que o advogado José Maria Martins escreveu sobre a matéria: "Não à censura à liberdade de imprensa - O caso TVI , a ERC e o Sindicato do Jornalistas"
"Tem sido ventilado que o Governo tem exercido pressão sobre meios de comunicação social que não são do seu agrado.
O jornalista Sarsfield Cabral e o director do jornal "Público", pelo menos, já disseram que foram pressionados pelo Governo, aquando da questão da licenciatura de José Sócrates.
Têm sido repetidos alertas para o domínio da comunicação social pelo PS e pelo Governo.
O que se passou agora com o comunicado da ERC e do Sindicato dos jornalistas, contra a TVI e mais precisamente contra Manuela Moura Guedes parece-me inadmissível."
"...O ataque à comunicação social que não se verga ao Poder é mau prenúncio!
Porque sempre foi esse o perfil do Poder musculado.
No caso Watergate nunca o Governo dos EUA tentou sequer atacar os jornalistas que investigavam Nixon.
Mesmo no caso da Princesa Diana, com os escândalos sucessivos, nunca foi posta em causa a liberdade de imprensa e de informação.
É lamentável a posição da ERC e do Sindicato dos Jornalistas no caso da TVI e da Manuela Moura Guedes.

O Governo e José Sócrates têm boicotado a TVI, não aceitando ser entrevistados pela TVI, como se fosse ostracizada pelo Poder.
Era previsível que alguém mexesse os cordelinhos para tentar calar a TVI.
Muitos gostam mais do tipo de jornalismo que a RTP apresentou quando entrevistou José Sócrates. Muito soft, muito cuidadoso, pouco incisivo.
Mais parecia uma conversa em família de Marcelo Caetano.
Creio que não foi para isso que houve a Revolução de Abril. Não foi para isso que os capitães fizeram o 25 de Abril e o relançaram em 25 de Novembro de 1975.

Cabe aqui lembrar dois excertos do "Documento dos Nove", subscrito pelos militares que barraram a deriva totalitária , quando escreveram ao Presidente da República e disseram:

"Recusam , à partida, os oficiais que por esta forma se manifestam o epiteto de "divisionistas" com que têm tentado denegri-los , tendo-se chegado ao ponto de se sugerir a sua expulsão das FA. Eles não abdicam do seu direito de critica, direito esse que, num tão grave momento da ida nacional, assume o carácter de dever patriótico."
(...)
"Com se isto não fosse já bastante foi-se ao cúmulo de preparar um projecto de diploma que, ao instituir-se uma "comissão de análise" (e porque não "comissão de censura"?) servirá de ferro de lança apontada aos últimos resistentes baluartes da imprensa livre neste país.".


Os detractores da TVI aproveitaram a infeliz posição de Marinho Pinto - por acaso ex-jornalista da SIC e do Expresso, a concorrência da TVI - para levantar o tom!

Quem ler o recentissimo livro da autoria do Coronel Vasco Lourenço com o título "Do Interior da Revolução", pode bem ver como são os portugueses e os de hoje têm os mesmos tiques e toques que ele revela.

Se a moda do limite da "presunção de inocência" pega, eis que o Governo ,e tantos outros , encontraram a arma "democrática" para calar a imprensa que não é carreirista. Emcontraram a arma para mandar para as urtigas o artº 10º da Comvenção Europeia dos Direitos do Homem e tornar Portugal ainda mais periférico, atrasado, provinciano e "do respeitinho" como tantos , afinal gostam!

"Uma grave ameaça à Democracia e um instrumento de defesa de todos os que sendo suspeitos não querem que se fale do seu caso, até que esqueça!
Ver artigo completo

Importa também ver o que o António Balbino Caldeira Do Portugal Profundo escreveu sobre o assuto no artigo de 1 de Junho de 2009

"A escalada socialista de tensão - e o povo
Sobre o comunicado chavista do Conselho de Censurologia Deontologia do Sindicato dos Socialistas Jornalistas inédito contra uma jornalista, se não se compreendesse facilmente o alcance do seu conteúdo e motivação, bastaria notar que foi emitido no dia seguinte à deliberação da ERC sobre a TVI, e de um foguetório de mails e de outros meios que imediatamente os precederam, a cerca de uma semana das eleições legislativas de 7-6-2009.

Ou os leitores pensam que isto é tudo uma coincidência e que há sequer um mínimo de subtileza na orquestração?... Isto é mesmo à Chávez!... A semelhança começa a ser tanta até que deve haver aí uma célula a estudar o exemplo venezuelano para o aplicar de forma escalada em Portugal. É assim!... E, daqui até Outubro, vai ser pior. E tão mauzinho, quanto mais trágicos forem os resultados para o PS.

Mas mais poderosa do que Deliberação 11/CONT-TV/2009 de 28-5-2009, da ERC e o Comunicado do Conselho de Censurologia Deontologia do Sindicato dos Socialistas Jornalistas, vários degraus acima na escala do poder, tão abaixo quanto Portugal hoje está, foi a declaração do venerável António Arnault (colhida na campanha eleitoral de Vital Moreira, pelo Público de 14-5-2009) no apoio do Dr. Fernando Pinto Monteiro, procurador-geral da República, e na reprovação dos magistrados Vítor Magalhães e Paes Faria, responsáveis do inquérito Freeport (e consequentemente do Dr. João Palma, juiz e polícias) pela denúncia das pressões do Recadogate, mais exactamente por «infidelidade e deslealdade» e «delacção». No mesmo sentido: reprovação - Fase 1. Se algum dos protagonistas pertencer à irmandade, ainda há-de ser julgado no Supremo Tribunal Maçónico: quem é que substituíu o Dr. Rui Pereira? Nem será preciso chamar os nóveis serviços secretos (que nós julgávamos exclusivos do Estado...) do Grande Oriente Lusitano, com o seu núcleo de intelligence e o seu serviço de segurança (ver Sol de 13-5-2009)...

Depois da reprovação da ERC, do CDSJ, da Maçonaria, seguirá adiante a orquestra sob a batuta socratina para a Fase 2 - a remoção? A substituição, após recusa, dos titulares do processo Freeport? A excisão da jornalista Manuela Moura Guedes? Ou a simples retirada da licença de emissão à TVI, por pretenso incumprimento do caderno de encargos?

E, não funcionando as fases anteriores da strategia della tensione em curso, o que constará da ordem de operações da Fase 3 - a eliminação? A tomada da TVI pela violência física de uma inspirada Milícia Nacional Socratina, espécie de Legião Portuguesa com reformados fanáticos e jovens recrutas da JS, não funcionando a violência verbal (dos insultos de Marinho e Pinto e seguintes)? A solução dos paraquedistas do AMI de Melo Egídio, por ordem de Pinheiro de Azevedo, em 7-11-1975? E será que os militares assistiriam serenos, como o Almirante dizia que o povo era, a essa instrumentalização? Não acredito.

Cumprida a fase 1, é evidente que existe a vertigem de passar a formas superiores de luta. Mas, eu creio que, antes da Fase 3, surge o povo."

Publicado por tuga - CAOS CASLAS MEMBER

Share/Save/Bookmark

Sem comentários:

Publicar um comentário